Como Biden pode mudar a opinião de Bolsonaro sobre a Amazônia

SÃO PAULO – Quando o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, sugeriu, durante debate presidencial em setembro, que o oferecer ao Brasil $ 20 bilhões para acabar com o desmatamento na Amazônia, ele citou consequências econômicas não especificadas caso o presidente Jair Bolsonaro se recusasse. Bolsonaro reagiu com raiva e respondeu em letras maiúsculas pio que “NOSSA SOBERANIA NÃO É NEGOCIÁVEL” e que o Brasil não aceitaria “subornos” ou “ameaças infundadas”.

A reação frenética de Bolsonaro não foi surpreendente. Nos últimos dois anos, nem a abordagem mais agressiva da França nem as decisões da Alemanha ou da Noruega de suspender seus pagamentos ao Fundo Amazônia: a Noruega, o maior doador do fundo, contribuiu com mais de um bilhões de dólares Na última década, eles levaram o Bolsonaro a mudar de rumo. O notavelmente ampla aliança ambientalistas, governos ocidentais, gestores de fundos internacionais que controlam trilhões de dólares e empresas europeias que ameaçam boicotar os produtos brasileiros não tiveram muito impacto. Muito pelo contrário: em 2020, o desmatamento no Brasil atingiu o máximo de 12 anos, com 2,7 milhões de acres devastado no ano que terminou em julho passado. As multas pela extração ilegal de madeira, um indicador-chave do compromisso do governo com o combate ao desmatamento, caíram para o nível mais baixo em vinte anos.

O cenário é desafiador, mas há esperança de que o governo Biden possa convencer Bolsonaro a realmente reduzir o desmatamento. O ex-secretário de Estado John Kerry, que Biden nomeou para um papel proeminente como o czar do clima da América, provavelmente contribuirá significativamente para esse esforço, uma nova cadeira no Conselho de Segurança Nacional. Existem pelo menos sete maneiras pelas quais Kerry e o governo Biden poderiam ter sucesso onde outros não tiveram.

O primeiro, e mais importante, é coordenar a política climática dos Estados Unidos em relação ao Brasil com a União Europeia e outros membros do G7 para aumentar a influência. Los esfuerzos de Europa fracasaron en parte porque su capacidad para influir en Bolsonaro era demasiado limitada en un mundo en el que ni China ni Estados Unidos bajo Trump, los dos socios comerciales más importantes de Brasil, mostraron interés en criticar el proyecto de Bolsonaro de facilitar a desflorestação. Quanto mais ampla e coerente for a coalizão global contra o desmatamento na Amazônia, maiores serão as chances de que as elites econômicas do Brasil se importem o suficiente para pressionar Bolsonaro a moderar suas políticas ambientais.

Em segundo lugar, os EUA deveriam tentar repensar todo o debate sobre a conservação em detrimento da soberania do Brasil, a linha de raciocínio de Bolsonaro, sobre como melhorar a capacidade do Brasil de monitorar a floresta tropical fortalece sua soberania sobre a Amazônia. Enquanto os Estados Unidos enquadrarem a conservação como uma forma de interferência nos assuntos brasileiros, os militares politicamente poderosos e até mesmo os moderados no Brasil provavelmente ficarão do lado do presidente com relutância. Afinal, de uma perspectiva brasileira moldada por uma preocupação de longa data sobre a capacidade limitada do país de proteger suas fronteiras e a história traumática das intervenções dos EUA na América Latina, incluindo comentários bem-intencionados de legisladores europeus ou americanos sobre a Amazônia, muitas vezes podem soar condescendente ou ameaçador. Em 2019, a linguagem vaga do presidente francês Emmanuel Macron sobre um “status internacional“Porque la Amazonia hizo temblar incluso a los ambientalistas brasileños y permitió a Bolsonaro fortalecer su argumento de que las preocupaciones ambientales en el mundo rico son poco más que una cortina de humo para los planes imperialistas de desafiar el control de Brasil sobre el bosque más grande do mundo.

Bolsonaro está bem ciente dessa dinâmica. Enquadrando o debate entre a interferência externa e a proteção da soberania brasileira, entre ambientalistas neocoloniais e interessados ​​no desenvolvimento econômico e na geração de empregos, Bolsonaro lucrou politicamente com os ataques. Quando os líderes europeus o criticaram, zombado Macron e a alemã Angela Merkel consideraram os incêndios e o desmatamento de partes da floresta tropical brasileira um “problema interno” e argumentaram repetidamente que “a Amazônia pertence ao Brasil”. Com seu jeito tipicamente provocador, o presidente do Brasil reagiu à pressão diplomática de Oslo e Berlim: “Não é a Noruega o país que mata baleias lá no Pólo Norte?”, perguntou ele. “Pegue esse dinheiro e ajude Angela Merkel a reflorestar a Alemanha.”

Terceiro, em troca de progresso mensurável no desmatamento, os Estados Unidos poderiam oferecer às Forças Armadas do Brasil acesso a equipamento militar americano mais sofisticado para monitorar suas fronteiras longas e porosas; aprofundar uma parceria que também possa ajudar o Brasil na luta contra as redes criminosas transnacionais cada vez mais poderosas.

Quarto, Kerry deve envolver prefeitos, governadores estaduais e a sociedade civil, que geralmente desejam aprofundar a cooperação com doadores internacionais; e uma porção significativa da ajuda climática dos EUA deve ir diretamente para eles, em vez de tentar induzir mudanças apenas em nível nacional.

Quinto, o governo dos Estados Unidos deve deixar claro, a portas fechadas, que a adesão à OCDE, a continuação do status do Brasil como um importante aliado não-OTAN, e qualquer redução adicional da barreira comercial não tarifária está condicionada a melhorias significativas na área de Desmatamento.

Sexto, o governo dos Estados Unidos não deve fazer ameaças de consequências econômicas, como Biden fez durante o debate com Trump em setembro, a menos que esteja disposto a cumpri-las. Apesar da crescente oposição da Europa à ratificação do acordo comercial UE-Mercosul, as elites econômicas brasileiras não estão convencidas de que o atraso de algumas capitais europeias em face do aumento do comércio com a América do Sul esteja realmente relacionado ao desmatamento. Em vez disso, muitos pensam que Macron estava simplesmente usando os incêndios na Amazônia como desculpa para se opor a um acordo que ele não queria em primeiro lugar, enquanto buscava marcar pontos políticos com ambientalistas e agricultores. Embora alguns CEOs brasileiros estejam preocupados que as políticas do Bolsonaro na Amazônia possam prejudicar a reputação do Brasil, poucos esperam que isso tenha um impacto significativo em sua economia. Principalmente se a UE acabar ratificando o acordo comercial do Mercosul, Bolsonaro se sentirá empoderado, sentindo que chamou o engano da Europa.

Acompanhar as ameaças é crucial porque o presidente do Brasil certamente testará se Biden está blefando. Afinal, conter o desmatamento será politicamente caro para Bolsonaro. Sua decisão de resistir à pressão internacional é resultado de um cálculo político cuidadoso: facilitar o desmatamento foi uma das principais promessas da campanha de Bolsonaro e quebrá-la provavelmente custaria a ele o apoio de uma parte significativa de seu eleitorado: madeireiros ilegais, mineradores, posseiros e pequenos escala. agricultores. Este grupo é representado no Congresso Brasileiro pelos poderosos Boi Bankou “caucus de gado”. Em outras palavras, o desmatamento vertiginoso no Brasil não é uma questão de capacidade governamental limitada, é o resultado de um projeto político que garante a sobrevivência política de Bolsonaro.

Finalmente, tanto quanto possível dessas negociações deve ocorrer a portas fechadas. Em vez de convidar Bolsonaro para uma luta no Twitter como fez Macron em 2019, área na qual o presidente do Brasil se sente confortável, o governo dos Estados Unidos será muito mais eficaz se recorrer à tradicional diplomacia offline. Com Kerry, que negociou com sucesso o acordo nuclear do governo Obama com o Irã, Biden pode procurar alguém com experiência comprovada neste campo.

SOBRE O AUTOR

Oliver Stuenkel é colunista colaborador do Americas Quarterly e leciona Relações Internacionais na Fundação Getulio Vargas em São Paulo. Ele é o autor de Os BRICS e o Futuro da Ordem Global (2015) e Mundo Pós-Ocidental: How Emerging Powers Are Remaking Global Order (2016).

Tag: Biden, Bolsonaro, Meio Ambiente, Joe Biden

As opiniões expressas neste artigo não refletem necessariamente as opiniões da Americas Quarterly ou de seus editores.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © arturhoje.com.br.
arturhoje.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Artur Hoje